O que pensa o público de Namíbia, Não! – questões de recepção.

Bárbara Heliodora, a temida crítica de teatro brasileira, especialista em Shakespeare e que faz o ator mais experiente tremer no palco ao vê-la na plateia disse em 2011, quando Namíbia, Não! estreou no Rio de Janeiro: “Uma grata contribuição à dramaturgia brasileira e com certeza faz pensar.”
Pronto, era o aval que faltava para que o espetáculo figurasse entre as mais importantes produções teatrais dos últimos tempos no Brasil. Por sua importância político-social, mas, também, por trazer importantes inovações dramatúrgicas no que diz respeito ao teatro político no Brasil.
São quase três anos de trajetória e resolvemos reunir outras opiniões, assim como as da senhora Heliodora, de espectadores do espetáculo. A maior parte das mensagens foi recebida através da rede social Facebook. (Os nomes dos autores não serão citados exceto Paulo Henrique Amorin que postou seu comentário no seu próprio site.)

“Olá Aldri! Fiquei muito encantada com a peça ontem! Já esperava que fosse muito boa, mas superou minhas expectativas.. e a forma como aquele teatro contribuiu para isso, tive uma vivência diferente, mergulhei mesmo na peça e me senti parte dela. Como se eu estivesse dentro do apê com vocês, pensando no que fazer! as vezes dava até vontade de dar minha opinião kkkkk”

“Parabéns pelo belíssimo texto e pela atuação impecável! Você é GRANDE!!! Ficarei de olho nos seus próximos trabalhos!”

“Uma coisa que me chamou a atenção foi o cenário. Achei muito interessante a ideia, tudo branco. Como você falou que podíamos mandar perguntas, aí vai: Como foi esse processo de criação do cenário? De quem foi essa ideia e qual a intenção? Forte abraço.”

“Ontem a noite eu e meu noivo fomos assistir a peça. Eu já havia assistido em Salvador e queria muito que ele tivesse a oportunidade de assistir uma apresentação tão interessante e reflexiva como ” Namíbia, Não!”. Parabéns aos atores e a toda sua equipe.”


“Gostaria de parabenizar a todos os envolvidos com “Namibia, Nao!” pelo brilhante espetáculo! Texto inteligente e engraçado, atuação impecável e nos leva a refletir sobre as diversas questões abordadas. Com certeza, foi uma excelente escolha prestigia-los!”


“Namíbia,não!” precisa vir para o interior do estado de São Paulo! O que é preciso p/ isso?Contem conosco neste movimento..Abç”


“PEÇA FANÁSTICA, ESSE DOMINGO VALEU MUUUUUUUUUUUUUUITO A PENA SAIR DE CASA!”


“Eu recomendo o espetáculo teatral, um texto belíssimo, do autor Aldri Anunciação, e uma interpretação magnífica de Sergio Menezes, enfim, a interpretação dos fatos podemos dizer que os atores são excelente.
Parabéns para toda Produção pelo magnifico trabalho. E para o diretor Lazaro Ramos.”

“este ansioso blogueiro voltou ao TCA para assistir à desafiadora e intrigante peça Namíbia, Não !, do baiano Aldri Anunciação. O entrecho se sustenta na hipótese de o Governo baixar uma Medida Provisória e obrigar todos os brasileiros de “melanina acentuada” a voltar para o país africano que escolhesse.
Seria uma forma de impedir uma indenização pela escravidão dos de melanina acentuada.
(Será uma homenagem dissimulada ao Ali Kamel ?) A cunhada Geovana insistiu.
Este ansioso blogueiro temia assistir a peça de autor estreante e de diretor idem.
Geovana estava certa.
A peça é ótima.
O atores Aldri e Flavio Bauraqui passam drama, tensão, humor – e revolta.
E o Lázaro Ramos vai ser um diretorzaço.
Encontra soluções brilhantes e demonstra conhecer a suave magia do teatro.
Lázaro, traga o Namíbia, Não ! para o Rio e São Paulo.” (Paulo Henrique Amorin – 
http://www.conversaafiada.com.br/cultura/2011/04/04/presidenta-leve-o-neojiba-a-china-e-a-namibia-para-ca/)

E estes são apenas alguns. Há muito mais que chegam por e-mail, facebook ou pessoalmente no final do espetáculo. 
Obrigado a todos!

Bonde pra Namíbia!

O grupo Bonde pra Namíbia (foto), formado espontaneamente por espectadores interativos e cativos do espetáculo Namíbia, Não! , que acompanham oa trajetória da peça desde 2011, foi assistir ao espetáculo nesse 07 de setembro de 2013 no Teatro Cândido Mendes- RJ.

A idealizadora do “Bonde”, Márcia Brasil, organizou um grupo no Facebook intitulado Bonde pra Namíbia com o objetivo de formar um grupo para assistir ao espetáculo em cartaz no Rio de Janeiro. O grupo conta com mais de 100 participantes, alguns que já conhecem o espetáculo e outros que já ouviram muito falar e tem curiosidade.
Foi uma apresentação pra lá de especial, com direito a muito bate-papo divertido após o espetáculo!
Semana que vem fazemos as últimas três apresentações no Rio de Janeiro nos dias 13, 14 e 15 de setembro!

Teatro Cândido Mendes, Rua Joana Angélica, 63 – Ipanema.
Sexta e Sábado 21h / Domingo 20h!

NAMÍBIA, NÃO! NO FILTE BAHIA 2013

Casa cheia, fila para conseguir um ingresso, público feliz e aplausos calorosos. Este foi o balanço das 3 apresentações do espetáculo Namíbia, Não! no FILTE BAHIA 2013 de 3 a 5 de setembro. A produção agradece aos organizadores, em especial a Luiz Alonso e a equipe Namíbia de Salvador, especialmente Socorro de Maria. A peça volta para o Rio de Janeiro HOJE, dia 06/09 e encerra temporada no próximo dia 15/09. Sempre de sexta a domingo no Teatro Candido Mendes em Ipanema.

Entretenimento, reflexão política e histórica e educação para a cidadania. Isto é Namíbia, Não!

NAMÍBIA, NÃO! E O PÚBLICO JOVEM

O público jovem comparece ao espetáculo Namíbia, Não!.
A identificação dos jovens com o espetáculo tem a ver com a agilidade e dinâmica da encenação que Lázaro Ramos definiu para as cenas, proporcionando uma narrativa que comunica com agilidade o texto de Aldri Anunciação. Outro ponto que atrai os jovens é a conexão entre reflexão social e entretenimento (diversão) que espetáculo oferece ao público.

Temporada carioca caminha para seu encerramento até 15/09, no Teatro Cândido Mendes, sextas e sábados 21h. Domingo 20h.

NAMÍBIA, SIM! – EMBAIXADOR DA NAMÍBIA E SUA COMITIVA PRESTIGIAM ESPETÁCULO NO RIO DE JANEIRO!

Nesta sexta-feira (30/08) tivemos a honra de receber na plateia do Teatro Cândido Mendes – (RJ), o diplomata namibiano Sr. Lineekela Josephat Mboti (Embaixador da Namíbia no Brasil) que veio prestigiar o espetáculo juntamente com sua comitiva.
A Embaixada da Namíbia foi conferir a peça teatral (dirigida por Lázaro Ramos) que reflete de forma irônica e bem-humorada as identidades formativa da população brasileira.
Sr. Embaixador adquiriu um exemplar do livro do espetáculo (Ed. Edufba), e aguardou para cumprimentar os atores ao final do espetáculo, momento em que conversaram sobre relações culturais entre África e Brasil. 
Aldri Anunciação (ator e autor do texto) sugeriu ao Sr. Embaixador a criação de um Festival de Teatro de mão dupla e simultâneo, onde espetáculos brasileiros fossem apresentados em países africanos e vice-versa, e lembrou que em 2012, o espetáculo teve a presença espontânea de dois namibianos na plateia, que assistiram à peça teatral, e saíram (literalmente) vestidos com a camisa do espetáculo, empolgados com as reflexões dos dois primos-personagens (André e Antônio).
na conversa com o Sr. Embaixador, o ator Sergio Menezes afirmou que a ironia do título do espetáculo promove um golpe teatral no espectador, que se surpreende com o que vê e ouve no divertido espetáculo-debate.
Na foto (ao centro) o Sr. Embaixador da Namíbia Lineekela Josephat Mboti (e sua comitiva), juntamente com os atores do espetáculo Sergio Meneses (à esquerda) e Aldri Anunciação( à direita).
(foto tirada pela produção do espetáculo.)
Namíbia, Não! realiza suas últimas apresentações no Rio de Janeiro, em temporada que se encerra no dia 15 de setembro de 2013 no Teatro Cândido Mendes, sextas e sábados 21h, domingos 20.

NAMÍBIA, NÃO NO FILTE BAHIA 2013

Nos dias 03, 04 e 05 de setembro de 2013, Namíbia, Não! estará integrando a programação do FILTE BAHIA 2013 – Festival Latinoamericano de Teatro de Salvador. As apresentações ocorrerão no Teatro ACBEU no Corredor da Vitória (Av Sete de Setembro) em Salvador. 
O FILTE vem se destacando no cenário nacional como um dos mais importantes festivais de teatro contemporâneo pela qualidade da curadoria, por suas ações formativas e por promover um efetivo intercâmbio das artes cênicas latinoamericanas formando uma verdadeira vitrine para outros festivais do mundo.
Namíbia estará em Salvador nos três dias, mas, volta para o Rio de Janeiro no dia 06 onde segue em temporada até o dia 15 de setembro, sempre de sexta a domingo. 

Em breve mais informações sobre a agenda nacional e internacional do espetáculo.

Link para Namíbia, Não! no site do FILTE BAHIA 2013

Representantes do Itamaraty assistem Namíbia, Não! no Rio de Janeiro

Foto: (esq. p/ dir.) Sr. Paulo cordeiro de Andrade Pinto, Aldri Anunciação e a Sra Vera Estrel de Andrade Pinto

Na sessão de ontem, contamos com as ilustres presenças do Sr. Paulo cordeiro de Andrade Pinto – Subsecretário Geral Político 3 África e Oriente Médio do Itamaraty e da Sra. Vera Estrel de Andrade Pinto – Embaixatriz do Brasil para o Haiti e Canada. 
Ambos participaram, também, do debate que seguiu a apresentação e que consiste em parte da contra-partida social do projeto ao patrocínio da Eletrobras/Furnas.
Temporada segue até o dia 15 de setembro sempre de sexta a domingo. Teatro Candido Mendes – Ipanema – Rio de Janeiro.
Realização: Tô Ligado Produções Artísticas LTDA

Namíbia, Não!: Livro

O espetáculo Namíbia, Não! na encenação do também ator Lázaro Ramos, aproxima-se dos 3 anos de sucesso de público, crítica e de serviço social na divulgação de questões ligadas ao racismo, ao preconceito e as relações identitárias. Mais do que divulgar, Namíbia, Não! exerce um papel fundamental no processo de reflexão que desemboca num inovador e sofisticado instrumento educacional. São inúmeros os casos de depoimentos de negros e brancos que após assistirem Namíbia, Não! experimentaram uma nova atitude em relação a si mesmos, às questões que o espetáculo toca e em situações sociais em que o preconceito aflora. Trata-se de uma peça teatral, uma obra de arte teatral com potência agregadora e pacificadora. Ao contrário do que comumente ocorre em ações que tratam de racismo, preconceito, a questão do negro no Brasil ou relações identitárias, a peça escrita pelo baiano Aldri Anunciação consegue atrair públicos que jamais teriam interesse no assunto e faz, sentarem na mesma poltrona, etnias avessas, pensamentos contrários, classes sociais distintas numa ação revolucionária e altamente política. Tudo isto, com teatro de altíssimo nível e com uma dramaturgia que figura entre as de maior destaque na dramaturgia brasileira contemporânea.

Vencedor de vários prêmios, como o Braskem Salvador/BA de melhor texto em 2011, Prêmio FAPEX de Teatro de 2010, Prêmio R7 – São Paulo de melhor texto em 2012, Namíbia, Não! foi publicado em livro pela Editora EDUFBA em 2011 o que garantiu a ampliação do alcance do projeto por via literária. Já são mais 1000 (mil) exemplares vendidos ou doados nos sete estados brasileiros em o espetáculo circulou (São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Minas Gerais, Distrito Federal, Ceará e Bahia) além de Portugal e Alemanha. Tornou-se leitura obrigatória para os estudantes do primeiro semestre de direção teatral do Curso de Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia por decisão da Profª. Drª Cleise Mendes (também autora do prefácio do livro). A crítica brasileira Barbara Heliodora, em crítica no Jornal O Globo declarou: “Já tendo merecido premiações, o texto apresenta um número de méritos que compensam largamente aquelas suas deficiências mais ou menos inevitáveis em um autor estreante (ao menos em teatro adulto).” e completa: “Grata contribuição à dramaturgia em 2011”. Em 2013, o texto está sendo preparado para sua primeira publicação em outro idioma, o alemão. Quem trabalha na tradução é o Prof. Dr. Henry Thorau, professor de Ciências da Cultura Brasileira e Portuguesa na Universidade Trier, editor e tradutor dos livros e obras teatrais de Augusto Boal e de Nelson Rodrigues. Em recente evento no Lateinamerika-Institut da Freie Universität Berlin que contou com a presença do Prof. Dr. Marcio Seligmann-Silva (UNICAMP-BRASIL), Ms Maria Lidola (FU-Berlin), Ms Leonel Henckes (UFBA-Bahia) e o autor Aldri Anunciação, o Prof Thorau declarou empolgado que “mesmo que Aldri não escreva mais nenhuma obra, já entrou para a história do Teatro Brasileiro e inaugurou um novo paradigma para o teatro político brasileiro.” 
Recentemente, na apresentação do espetáculo no Teatro Nacional São João na cidade do Porto – Portugal, uma expectadora estasiada procurou Aldri para dizer o quão importante tinha sido para ela assistir ao espetáculo. Professora, disse que era necessário que este texto fosse estudado em todas as escolas portuguesas e seguiu discorrendo sobre as inúmeras associações possíveis a partir do texto e que vão muito além da questão da afro-descendência no Brasil. Tocam em profundos problemas da sociedade europeia, o problema das imigrações, a questão do sentimento de pertença a determinada etnia ou grupo social, as políticas migratórias e exploratórias e etc. Para reforçar a discussão, trago o exemplo da Alemanha que sofre um processo da Namíbia (que foi colônia alemã) pela devolução dos ossos de cidadãos da Namíbia levados para a Alemanha para estudos científicos no século XIX. A Alemanha está sendo solicitada a devolver à Africa “cidadãos” de lá furtados. Mais um exemplo, é a situação da comunidade Turca em Berlin. Uma comunidade que já nasceu em terras germânicas em quarta geração, mas, continua presa a Turquia. As crianças vivem uma profunda crise uma vez nasceram na Alemanha, mas, seguem sendo Turcos, até por exigência da família ou em função da burocracia que não os reconhece como alemães até que tenham 18 anos e possam optar por uma cidadania. Muitas vezes não aprendem corretamente nem o idioma alemão e nem o turco vivendo eternamente na fronteira. São muitos outros os exemplos possíveis que vão, inclusive, ao Sul do Brasil com as colônias de imigrantes.
E Namíbia não para. Recentemente em Londres, a peça foi citada por um britânico que trabalha na City of London Corporation no evento ‘Brasil nos olhos da midia’ na King’s College e despertou o interesse dos presentes que buscam meios de levar o espetáculo para àquele País.

Por estas e outras é que Namíbia, Não! tornou-se uma obra de arte necessária e obrigatória para todo cidadão brasileiro, seja por meio do teatro ou por meio do Livro.

Link para adquirir o livro: http://www.namibianao.com.br/p/livro.html

Jornalista angolano vencedor do Prêmio Maboque de Jornalismo 2010 assistiu Namíbia, Não! neste domingo no Rio de Janeiro

Na foto da esquerda para a direita: Jornalista José Rodrigues, atriz Rose Lima e os atores Aldri Anunciação e Sérgio Menezes. Temporada segue a todo vapor no Rio de Janeiro!

O conceituado jornalista angolano José Rodrigues (vencedor do Prêmio Maboque de Jornalismo – 2010 – http://goo.gl/Sv80J) foi assistir Namíbia, Não! neste domingo no Teatro Cândido Mendes no Rio de Janeiro-RJ, acompanhado pela atriz Rose Lima, que assistiu ao espetáculo pela segunda vez! O jornalista angolano levou seu exemplar do livro Namíbia, Não! e comentou que a comédia levanta uma discussão muito atual e contemporânea, sugerindo que o espetáculo deveria aportar por terras africanas!

O Prêmio Maboque de Jornalismo é conferido anualmente aos jornalistas que se destacam na imprensa angolana.
Rodrigues não é o primeiro espectador africano que assiste Namíbia, Não!. Inclusive cidadãos da Namíbia já estiveram na plateia do espetáculo que trata de forma bem humorada das relações Brasil-Africa e da identidade afro-brasileira com enfoque, ainda, na questão do preconceito e das identidades deslocadas, fenômeno este último, bastante característico da globalização na contemporaneidade.

Namíbia, Não! segue em temporada até o dia 15 de setembro no Teatro Cândido Mendes no bairro de Ipanema no Rio de Janeiro. Sessões sempre de sexta a domingo.

Sergio Menezes, ator que interpreta o personagem André de Namíbia, Não! participou do Programa Sem Censura com Leda Nagle na TV Brasil

Faltando poucas horas para a reestreia de Namíbia, Não! no Rio de Janeiro, o ator Sergio Menezes, que atualmente interpreta o personagem André no espetáculo participou na tarde de hoje do Programa Sem Censura na TV Brasil. A peça que entra em sua 10ª temporada desde a estreia em março de 2011 já percorreu 7 estados brasileiros e apresentou-se em Portugal no Ano do Brasil em Portugal. Ao todo já foram mais 38 mil espectadores. O ator Sergio Menezes, é conhecido do público brasileiro por participações em novelas da Rede Globo, especialmente pelo personagem Fulgêncio da novela Sinhá Moça.   Esta é a terceira temporada em que o ator da vida ao André no lugar de Flávio Bauraqui que se dedica a outros projetos no momento.
Ao longo destes quase três anos de vida do espetáculo dirigido por Lázaro Ramos e com texto de Aldri Anunciação, quatro atores já emprestaram seus corpos e vozes para os dois primos (personagens da peça) André e Antônio. São eles: Aldri Anunciação, Flavio Bauraqui, Fernando Santana e Sergio Menezes.
Namíbia, Não! vai estar em cartaz no Teatro Candido Mendes em Ipanema de 05/07 a 15/09 de sexta à domingo.
Na foto, da esq para a dir. a escritora e pesquisadora Ieda de Oliveira, o ator Sérgio Menezes, a apresentadora Leda Nagle, o compositor e pianista Antônio Adolfo e a médica Maria de Lourdes Oliveira, Fodo de Ieda de Oliveira retirada de: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=376753015780425&set=a.183863801736015.39009.183855801736815&type=1&theater